segunda-feira, janeiro 23, 2006

Un beau matin


(Varzea de Colares, manhã de Janeiro)

Tous les soirs
À ma fenêtre
J'y serait
Pour que je regarde
L e beau ciel
Où tu est Maman...

Si par hasard
Il arrivera
Qu'un beau matin
Tu viendras
Me rejoindre
J'aurais ?a te dire
Un tas de choses
Dans tes bras...

Tons fils, Maman,
A un secret...
Il veut te le dire,
Il veut que tu saches
Qu'il a un secret...

Écoute, Maman
T'en souvien-tu?
J'étais un garçon
Quand tu est partie
Il y a longtemps
Que tu est partie.
Et pourtant,
Depuis ce temps
J'ais toujours grandi.
Je suis devenu un homme
Je n'ais pas changé,
Il n'y a que le corps
Qui a augmenté.

(Almada Negreiros, 1920)

3 comentários:

Anónimo disse...

Fantastique.Merci!

Anónimo disse...

Tenho uma lágrima ao canto do olho,tenho uma lágrima ao canto do olho,Eu sei que tens saudades ,mas,eu para não ter faço de conta que ela não se foi.podes falar com ela,mas falta o abraço, o carinho.Não estejas triste,pois ela está sempre junto de ti, é só teres atenção que de certeza vais reparar em algum sinal da sua presença.Todos temos que partir,e tens razão nós crescemos,mas, no nosso interior somos sempre crianças,mas,com a sabedoria da idade.Para as mães os filhos nunca crescem.Vai comer os bolos e uns sumos para festejar o aniversário do teu filhote que esse ainda tem idade para ser criança.BEIJINHOS para a feliz mãe o pai eo filhote e também para a menina.Nada de tristezas
PS:-Tens que escrever o que pensas e deixa o Almada Negreiros muito escondido, poque ainda te põe pior.Tens que esconder esse livro.a mãma manda, senão o menino fica 8 dias sem blog Chau-MARIA-

Anónimo disse...

C'est le poeme que j'aurai pu dedier à ma maman.
Pour toi, maman, j'ai pas grandi. Je resterai toujours ton enfant.
Merci Gigi pour me rappeler q'un jour j'ai eu une maman.
Quim

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...