segunda-feira, janeiro 30, 2006

o Cacilheiro


(Cacilheiro do Tejo)

Todos moram numa rua
a que chamam sempre sua
mas eu cá não os invejo
o meu bairro é sobre as águas
que cantam as suas máguas
e a minha rua é o Tejo

Certa noite de luar
vinha eu a navegar
e de pé junto da proa
eu vi ou então sonhei
que os braços do Cristo-Rei
estavam a abraçar Lisboa.

Sou marinheiro
neste velho cacilheiro
dedicado companheiro
pequeno berço do povo.
E navegando,
a idade vai chegando
o cabelo branqueando,
mas o Tejo é sempre novo.

(Fado do Zé Cacilheiro, Fernando farinha)

3 comentários:

Anónimo disse...

E OLÉ.Qualquer dia o Tejo gela e lá se vai o Cacilheiro, fica um novo TITANIC.Maria

Anónimo disse...

JOSÉ VIANA
Um Mestre da revista e do pincel

Anónimo disse...

Realmente este fado não é do Fernando Farinha mas é do Zé Viana, um dos maiores actores de reista que Portugal teve e também um maravilhoso pintor. Pena ter morrido da forma como morreu.

António Manuel Cortes

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...