quarta-feira, janeiro 18, 2006

Outro Pessoa em Lisboa


Chamar-te a ti, Lisboa, camarada,
e depois, eu sei lá, enlouquecer.
Que a loucura é quase um grão de nada
e tu tens um nome de mulher.

Ou dizer que és a minha namorada.
Devagar. Não vá alguém saber
que fizemos amor de madrugada
e tu trazes um filho por nascer.

Se eu inventar de noite a liberdade
de poder beijar-te os olhos e morrer,
no teu ventre não há fado nem saudade
mas apenas os filhos que eu fizer.

E pode ser que eu guarde a tempestade
de ter que aqui ficar. E então dizer
que sobre a minha boca ninguém há-de
pôr rosas de silêncio, se eu quiser.

(Joaquim Pessoa)

4 comentários:

O Bicho disse...

Para saber: o Joaquim Pessoa, é um Poeta do Barreiro. É da minha idade e quando o conheci era um verdadeiro Barreirense - vermelho.

Anónimo disse...

Escreve sobre ti para te conhecer melhor,mas por favor não mintas.

O Bicho disse...

mentira???

Anónimo disse...

Não se pode responder a um anónimo, não é Gigi?
Quim

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...