sexta-feira, maio 04, 2007

Autoretrato 17


Estou quase lá no fundo;
sinto-me afundar, irremediavelmente;
não há retorno, mas por enquanto ainda consigo respirar;
se o meu pesar não aumentar, talvez me mantenha assim, meio a flutuar;
se o peso das minhas penas aumentar, então aí estou lixado, vou-me afogar;


bem, então o melhor é, voltar às aulas de natação na piscina para estar em forma - prefiro afogar-me a nadar no mar revolto a ficar quieto num marasmo, vendo a água subir lenta e inexoravelmente por mim acima.

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...