quinta-feira, abril 30, 2009

a fonte 379


fonte à janela

Aquela maravilhosa criatura
a descer o carreiro do monte,
o cântaro apoiado na cintura,
meneava as ancas, até à fonte.

Era uma visão muito bela.
A rapariga era uma brasa.
Agora só se avista à janela.
Tem uma fonte lá em casa.

Um belo dia, de muito calor
só para a fazer voltar à rua
fechei a torneira do contador.


Ela saiu do banho, toda nua
e à janela disse: «Ó estapor!
Mas afinal qual é a tua?»

1 comentário:

Maria disse...

Uma mulher de cântaro à cintura
É capaz de enganar o mais pintado,
É ilusão que às vezes pouco dura
E faz um homem ficar desapontado.

O que vias de longe era mentira.
Confundias cântaro e mulher
E vias, a ilusão ninguém te tira,
A mulher cântaro de água de beber.

Quiseste ver de perto a tua diva
Chegaste a vê-la nua na janela
E esperavas ver a Bela atrás da fonte.

E quando esperavas ver a Vénus viva,
Afirmas bem o olhar e então ao vê-la,
Reparas que é um grande mastodonte.

Beijo.
Bom fim de semana, com mais fontes

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...