quinta-feira, abril 30, 2009

a fonte 379


fonte à janela

Aquela maravilhosa criatura
a descer o carreiro do monte,
o cântaro apoiado na cintura,
meneava as ancas, até à fonte.

Era uma visão muito bela.
A rapariga era uma brasa.
Agora só se avista à janela.
Tem uma fonte lá em casa.

Um belo dia, de muito calor
só para a fazer voltar à rua
fechei a torneira do contador.


Ela saiu do banho, toda nua
e à janela disse: «Ó estapor!
Mas afinal qual é a tua?»

1 comentário:

Maria disse...

Uma mulher de cântaro à cintura
É capaz de enganar o mais pintado,
É ilusão que às vezes pouco dura
E faz um homem ficar desapontado.

O que vias de longe era mentira.
Confundias cântaro e mulher
E vias, a ilusão ninguém te tira,
A mulher cântaro de água de beber.

Quiseste ver de perto a tua diva
Chegaste a vê-la nua na janela
E esperavas ver a Bela atrás da fonte.

E quando esperavas ver a Vénus viva,
Afirmas bem o olhar e então ao vê-la,
Reparas que é um grande mastodonte.

Beijo.
Bom fim de semana, com mais fontes

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...