domingo, novembro 30, 2008

noite a fingir


"LA NUIT AMÉRICAINE"
(François Trufaut, 1973)

A cena final do filme demonstrava o método "noite americana" utilizado em técnica cinematográfica - fotografar as cenas à luz do claro dia e escurecer a imagem posteriormente através de tratamento no laboratório de montagem.
Como o exemplo desta foto, tirada às 3 da tarde de um belo dia de sol num claro ceu azul sem uma sombra de nuvem.
(Cristo Rei, em Almada, na passada quinta-feira)

2 comentários:

O Bicho disse...

«Em 80 filmes eu morri 24 vezes - electrocutado duas vezes, enforcado duas vezes. Eu fui esfaqueado, cometi suicídio, morri em acidentes, mas nunca tive uma morte natural. Bem seja como for, eu penso que a morte não é uma coisa natural»
Isto disse numa entrevista Jean-Pierre Aumont (Alex, no filme de Trufaut) que viria a morrer (de verdade) de morte natural, aos 90 anos, em 2001.

Anónimo disse...

Bicho:
Linda a fotografia. Fenomeal a tecnologia que, permite estes milagres. Gostei da citação de Jean-Pierre Aumont. Mas, como tu, a Maria divaga e, lembrei-me, de há anos, após o sismo do Pico, a que já aludi várias vezes, de uma conversa que tive, com um puto de 7 anos. Estávamos a passear numas arribas e, como ele se aproximasse demais da ponta, chamei-lhe a atenção. Ele, olhou para mim, com uns olhos arregalados e, perguntou-me, "Porquê?". Só lhe consegui responder, com a velha máxima popular: "Porque o seguro, morreu de velho". Pensei ingénuamente que, a coversa ficara por ali. Ele não. Olhou-me e, fez nova pergunta: "Morreu de velho, mas morreu, não foi?
Foi das poucas vezes na vida que, a pergunta de uma criança me deixou sem resposta. Se ele voltasse a fazê-la, eu ficava na mesma, sem resposta.
Repara bem, o que a frase de Jean-Pierre Aumont, foi buscar ao meu computador de cabeça!
Beijo
Maria

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...