segunda-feira, novembro 10, 2008

Autoretrato 59


Procurei neste espelho, a imagem de um condenado a quem deram apenas um mês - é o tempo que me resta para viver... como cinquentão.
Foi o que esta manhã, alguém (mais velho do que eu) fez o favor de me recordar - falta só um mês para dar inicio à contagem de mais um decénio:

«Meu amigo, começaste a consumir os últimos trinta dias da tua década dos cinquenta!», disseram-me, «meu querido, agora, bem podes pôr de lado o pé-de-meia e pensar antes em pôr de parte alguma energia de reserva para enfrentar as incertezas que aí vem...»

Energia - cada vez mais importante, a poupança de Energia (física e anímica), que com a idade, vai ficando mais e mais valorizada, chegando a pontos de ser incrivelmente mais valiosa do que as economias guardadas no banco, na conta poupança-reforma.

Incerteza - por nunca antes ter sido vivida por mim, a década que se aproxima. Por não saber ainda, como é, viver com sessenta anos atrás. Será uma novidade, seguir o caminho da vida transportando comigo sessenta anos de memórias.

Obrigadinho! Digo eu, mas... já não é novidade e é uma certeza, que a novidade e a incerteza, serão sempre parte integrante de cada novo dia que está por vir. De maneira igual para toda a gente, pois ninguém sabe o que está para vir - só os inconscientes, ou os bruxos, se os houver..?
Há dias em que a gente não devia acordar. Devíamos ficar a dormir até ser o dia seguinte...

1 comentário:

Anónimo disse...

Bicho:
Por essa ordem de ideias, já passei o prazo de validade, há quase 4 anos.
Não custa nada, vais ver.
Vais continuar, uns dias a sentir-te com 20 e, outros com 90. É o que me acontece.
Por dentro, claro. Por fora, temos que admitir que,
somos aquilo que o espelho mostra.
Maria

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...