quinta-feira, janeiro 08, 2009

O Linho e a Estopa


Os 12 trabalhos do linho

  1. Semear: na primavera, no fim de Abril ou Maio;
  2. Arrancar: em Junho a planta sempre pela raiz;
  3. Ripar: separar do caule a "baganha" (semente);
  4. Enriar: as manadas de linho ripado, apertadas em molhos, são colocadas no rio, para fazer a curtimento;
  5. Secar: quando retirado do rio é colocado em molhadas, a secar ao sol, por quinze dias;
  6. Malhar: uma vez seco, estende-se o linho na eira, onde é batido com "malhos";
  7. Macerar: moer num engenho formado por um tambor rotativo canelado em que engrena uma série de roletas;
  8. Espadelar: o linho é batido com um cutelo de madeira, chamado "espadela", em cima de uma tábua, chamada espadeladouro;
  9. Assedar: depois de limpas as fibras são separadas por comprimentos e espessuras. As mais longas e finas formam o linho, as mais curtas e grosseiras, a estopa.
  10. Fiar: a fiação do linho faz-se nos últimos meses do ano. Pode ser feita com a roca e o fuso, ou com o auxilio da roda de fiar;
  11. Barrelar: antes de dobrar e tecer as meadas é necessário branqueá-las, embebendo-as em água com cinza dissolvida;
  12. Dobrar: finalmente (antes de tecer) o fio das meadas é dobrar para novelos, utilizando-se para isso a "dobadoura".

1 comentário:

Anónimo disse...

Bicho:
No meio de tantas coisas tristes que últimamente se dizem, escrevem e acontecem, gostei desta história do linho: é verdadeiramente bela, real e foi uma lufada de ar fresco neste inverno gelado, mas escaldante que estamos a viver. Devia tudo ter esta simplicidade e beleza.
Porque é que os homens não aprendem com a Natureza? Seria tudo tão mais simples!
Beijo
Maria

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...