quinta-feira, janeiro 29, 2009

O Amor em Portugal (5)


O Amor

Amor é chama que mata,
Dizem todos com razão,
É mal do coração
E com ele se endoidece.
O amor é um sorriso
Sorriso que desfalece.

Madeixa que se desata
Denominam-no também.
O amor não é um bem:
Quem ama sempre padece.
O amor é um perfume
Perfume que se esvaece.


(Mário de Sá Carneiro, 1913)

1 comentário:

Anónimo disse...

Há um caminho marítimo no meu gostar de ti.

Há um porto por achar no verbo amar

há um demandar um longe que é aqui.

E o meu gostar de ti é este mar.



Há um Duarte Pacheco em eu gostar

de ti. Há um saber pela experiência

o que em muitos é só um efabular.

Que de naugrágios é feita esta ciência



que é eu gostar de ti como um buscar

as índias que afinal eram aqui.

Ai terras de Aquém-Mar (a-quem-amar)



naus a voltar no meu gostar de ti:

levai-me ao velho pinho do meu lar

eu o vi longe e nele me perdi.

Manuel Alegre

Maria dos Alcatruzes

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...