quinta-feira, setembro 11, 2008

a ver navios 30


Chico fininho

A noite vem já e mal atina
Ele é o maior da Cantareira
Patchuli borbulhas e brilhantina
Cólica escorbuto e caganeira
..
Sempre a domar a cena
Fareja a judite em cada esquina
A vida só tem um problema
O ácido com muita estricnina
..
Da Cantareira à baixa
Da baixa à Cantareira
Conhece os flipados
Todos de gingeira

Chico fininho
Uuuuuuh uuuuuuh


Na época em que Rui Veloso musicou e interpretou pela primeira vez esta letra de Carlos Tê, era aqui neste local, da Cantareira (Massarelos), que se podia passar um bom bocado a ver navios a serem restaurados, no único estaleiro de barcos de madeira do Rio Douro.

2 comentários:

Cristina disse...

Lindo poèma.
Adoro este fotografia e penso au fado, "barco negro".
beijinhos.

Anónimo disse...

Gosto do Rui. No entanto, gosto mais do "Porto Sentido" ou, da "Canção do Alterne". Qualquer dos poemas é fantástico.
Maria

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...