quinta-feira, setembro 25, 2008

Retratos (2)


..(continuação)

Portanto, como ia dizendo, o “mau feitio” não é uma propriedade inata dos funcionários públicos requerida quando do concurso de admissão para o lugar. É mesmo assim como o nome diz, um feitio, (um formato) não uma forma de ser, mas de estar, muito (im)própria para atender os coitados que descontam, durante toda a vida, uma razoável percentagem do seu salário, para pagar os ordenados aos mal empregados e mal agradecidos (às vezes mal educados), que os vão atender, enquanto utentes, por exemplo, do serviço de saúde pública.

Constata-se que, o tradicional método “mau feitio” dentro dos espaços do Serviço Nacional de Saúde, é como a gripe, um mal contagioso, que ataca logo à entrada do posto de saúde, o segurança da Portaria. O qual deixa entender claramente que só está ali para assegurar a segurança das instalações e não para segurar a porta e facilitar a entrada do utente. Por isso, ele pode ou não indicar o balcão ou o “guichet” onde o presumível doente “queixoso” se deve dirigir, para apresentar queixa de alegadas maleitas, enquanto o seu olhar do porteiro profissional, como um feixe de ultra-sons, inspecciona meticulosamente o candidato a doente, assim a modos que a inquirir silencioso,

«O que é que (este) quer daqui? Estará mesmo doente… ou vem só para chatear? Não se enganou na porta?»

(e isto não fica por aqui, a acção continua... )

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...