quinta-feira, maio 28, 2009

a Hidra


Há dias chatos,
lixados... em que é difícil, para mim, escrever alguma coisa com jeito;
quase sempre as quintas-feiras, tornam essa tarefa mais complicada;
nessa altura, parece que enfrento um dos doze trabalhos de Hércules,
ou, como diz o povo, faço da coisa um "bicho de sete cabeças".

Penitência diz a hidra
Quando há seca
E se te enfias na toca
És como ela

Quero-me à minha vontade
Não na tua
Ó hidra, diz-me a verdade
Nua e crua
Mais vale dar numa sargeja
Que na mão
De quem nos inveja a vida
E tira o pão


(o poema é, todos sabem, do Zeca Afonso;
a escultura, parece do Cutileiro, mas não sei.)

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...