domingo, agosto 24, 2008

meu mar


Assim era Eu,
empurrado por ventos
ao sabor das corrrentes
subindo e descendo com as marés;
saltando nas ondas de espuma
revigorada pela resistência dos recifes;
deslizando no marulhar das águas bonançosas
mansamente espraiadas nas enseadas amenas;

assim era Eu
seguindo sempre sem parar,
sem esperar, nas pensando,
"- um dia vou-me encontrar!"
mas se não Eu, talvez outro alguém;
prossigo em vertiginosa fuga
atravessando estreitos opressivos;
rebatendo nas fragas
ocultas no sopé dos promontorios alterosos;

agora, sou Eu
aflito, tolhido, magoado
e cansado, mareado e desiludido,
desta fuga de mim, através do meu mar;
assim sou Eu,
recolhido cada vez mais
para dentro, por dentro de mim...

(Não tem Título - estas coisas escritas assim, não precisam; se tivesse, podia ser MAR INTERIOR; na Costa Atlântica, em Agosto de 2008)

2 comentários:

Anónimo disse...

Há uns anos conheci alguém... é
uma pessoa doce e inconformada com a vida,de repente olhou-se, e viu que tinha algumas limitações,tinha 56 anos, hoje tem 59, e nada alterou na sua vida,continua a ler o mesmo poema, "Em Busca do Amor" Florbela Espanca, Livro das Mágoas.
Alterar a vida, também está nas nossas mãos.
Força... todos temos periodos maus.
bjs
bela

Anónimo disse...

O teu Mar, Bicho, está porceloso,cheio de cabos das tormentas à espera que os dobres.
O Mar, nem sempre é fácil de sulcar, nem sempre é fácil chegar à praia, mas entre duas vagas há sempre um pouquinho de acalmia por onde podes passar.
Maria

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...