sábado, agosto 09, 2008

Amanhecer CXXX


Uma manhã de Sábado, num local distante do meu "habitat" natural.


Aqui, quase tudo é diferente:


as flores, as plantas, as árvores são bem diferentes dos Pinheiros, Eucaliptos, Carvalhos, Azinheiras, Acácias, Mimosas e Mulatas que refrescam o ar da serra de Sintra e arredores;
os pássaros que as povoam, são bem distintos dos nossos vulgares, Pardais, Pintassilgos, Rouxinois e Cotovias, Melros e Cucos, Piscos e Abetardas;
os cheiros da manhã não são comparáveis aos que compõem o ar fresco que se respira na várzea de Colares e Rio das Maçãs;
as cores dominantes no nascer do Sol e "au petit matin" são uma novidade para o meu olhar espantado;
até os sons ao raiar do dia são desconhecidos para mim - não se ouve o marulhar das ondas do Mar, não há Rolas a cantar, nem os Cães a ladrar, na minha rua;

3 comentários:

Anónimo disse...

Onde estão as nossas raízes é que somos felizes, tudo o resto nos é estranho, leva algum tempo a perceber que aí, também há pessoas felizes.
Quando é necessário, fechamos os olhos e ouvimos, ou vemos, com os olhos da alma.
bjinhos
bela

O Bicho disse...

Bela,
gostei muito dessa ideia:
"Onde estão as nossas raízes
é que somos felizes,
tudo o resto nos é estranho,
e... etc.!"
.
Até pode ser mote para um belo poema, quiçá, até uma canção.

Anónimo disse...

um processo de retorno às origens onde nos conhecemos :)

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...