sexta-feira, dezembro 07, 2007

O Sete


"Sete, vira a folha ao canivete".

Esta espécie de rima, fazia parte de uma lenga-lenga muito em voga nos putos da escola da minha infância.

Não sei o que era virar a folha a um canivete, mas também nunca quis saber. Nunca perguntei a ninguém qual era sentido da coisa, nem eu nem os outros putos.

Brincar! Essa era a prioridade, o nosso objectivo de vida, no imediato - a curto e a médio prazo.

Quanto a coisas a longo prazo, projectos a perder de vista num futuro longínquo, mais ou menos duvidoso, incerto, era complicado imaginar - o tempo não chegava para tudo.

Quando muito, algumas histórias aos quadradinhos ajudavam-nos a abrir um pouco as cortinas do futuro e dar uma espreitadela para o lado de lá.

"Emílio Salgari, Condor, Cavaleiro Andante, Mandrake", publicações em banda desenhada de histórias e novelas de autores de ficção científica, como Júlio Verne.

Bem, pois era, e então? Até aqui, já todo o mundo sabe, já muita gente escreveu. Esta conversa era para dizer mais o quê? Não sabem? Nem eu! Amanhã, que é oitro dia, talvez...

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...