segunda-feira, julho 21, 2008

assim, assim...

Ampliar
Ou, assim como assim, tanto faz... tanto faz o quê?

Publicar como não publicar; escrevinhar o que não sei pensar; resumir o dia de sensações apagadas; nada, nulo, zero, insensível, invisível, impossível; não existe, não presta, não tem princípio, nem meio termo, nem nada que se pareça com alguma coisa inteligível.

Porque, neste tempo de vacas magras, o que faz falta?
Pois, pois, não é animar a malta; o que a malta precisa é de virar as coisas do avesso; ver o horizonte pelo outro lado; do lado de lá da história; onde o mundo acaba e começa a memória; não há fuga, não há desvio, não é intervalo, é o fim do tempo.

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...