quinta-feira, abril 26, 2007

a Salganhada


Cantando espalharei por toda a parte,
O meu país, minha terra, minha gente
Se a tanto me ajudar o engenho e arte,
Eu cantarei até que a voz me doa
Num estilo grandíloco e corrente,
A saudade e a tristeza que magoa;
Amor de quem vive e morre ausente


Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Ao amor e à paz, cheia de esperança.

Que outro valor mais alto se alevanta:
- O sorriso e a alegria de uma criança!

(Poema Épico, + Poema Fado = Poema Mistura)
("Os Lusíadas" + "Até Que a Voz Me Doa" = "Ganda Salganhada")
(Luís Vaz de Camões + Luís Refachinho Gordo = Luís Martins O Bicho)

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...