sábado, fevereiro 10, 2007

Amanhecer LVII


Esta manhã, ao ver o dia levantar, sobre a várzea de Colares,
não sei porquê, lembrei-me, de um reconhecido poeta alentejano:

Perdi a minha caneta
Lá em baixo na várzea.
Se lá fores e a vires,
Faxavor, - trázea!


(dizia ele)

Sem comentários:

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...