sexta-feira, agosto 14, 2009

a Fonte 413


RIBALONGA
Na subida (digamos antes ladeira) que liga a Estação e aldeia de Foz Tua ao Castanheiro do Norte, tem uma Capela que é uma verdadeira relíquia arquitectónica e tem uma Rua da Fonte.
E no fim dessa rua, o que é que podemos ver?

Uma fonte, claro, também ela uma "relíquia" (1949) quase tão antiga quanto eu.
E não é uma qualquer, é a Fonte de Santa Marinha (ou Margarida) de Antioquia.
Mártir dos primórdios do Cristianismo, no tempo em que o Império Romano se estendia à Ásia Menor, aqui recordada numa lenga-lenga popular:

«Ela cabras guardou,
Sebes saltou,
Se em alguma se espetou
E a quereis assim como é,
Assim vo-la dou.»

Ora... é lógico, encontrar uma fonte na Rua da Fonte.
Pois é, mas não é costume, garanto que há muitos lugares onde essa regra lógica não se verifica, isto é, a toponímia não está de acordo com a realidade - a fonte "já lá não mora".

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...