quarta-feira, dezembro 10, 2008

talvez ficar


como estou aqui
na beira-rio
ao sol da manhã:
- espero a mudança
da maré!

sozinho, calado,
sentado ao sol
armazem de calor:
- espero a sombra
dos dias!

aquecido por fora
em fogo brando
requentado por dentro:
- espero pelo fim
do dia!

vou ficar talvez,
olhos fechados
pensamento parado:
- espero que passe
a vontade!

a vontade
de sair desta terra
para outro lugar
para outro mar
para longe
fugir daqui:
- pois, mas para quê,
fugir, de quê?
de mim... não consigo fugir assim.

2 comentários:

Anónimo disse...

Bicho:

Fugir para quê se levamos connosco, todas as incertezas, dúvidas, angústias, lembranças e saudades?
Mais vale ficar e reaprender a viver com isso tudo e com aquilo que temos de bom; os companheiros, os filhos, os netos, os amigos.
Desejo que tenhas tido um bom dia de anos.
Beijo
Maria

O Bicho disse...

É claro, Maria... não há outra maneira; vamos ficando por cá, mais ou menos acompanhados;
fugir de nós próprios, só (talvez)através da insanidade se consegue.

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...