quinta-feira, dezembro 04, 2008

fora de mim


algures, dentro de mim,
estou eu,
escondido,
na sombra das emoções,
procuro-me,
perdido,
na floresta dos sentidos;
a ver se me encontro,
revejo todos os reflexos,
do interior;
parado no meu espaço,
fora do tempo,
olhando para fora de mim;
não quero mais sair,
inseguro de mim,
receio tropeçar,
enganado pelos sentidos.
fechado em mim,
receio cair,
no fundo, dentro de mim;
ao cair em mim
num lugar cá dentro
o confronto inevitável,
comigo mesmo,
será insuportável;
um de nós vai sair:
ou eu desisto de mim,
ou o meu eu vai
pôr-me fora de mim.

(sem dúvida... hoje só pode ser quinta-feira)

1 comentário:

Anónimo disse...

Bicho:
Gostei, poeta. Compreendi-te tão bem, que já me deu para chorar. E, eu nunca choro, sabes? As lágrimas caiem-me na alma, como gotas de chumbo, a ferver. Dói muito.
Hoje, o teu poema, deu-me a graça de deitar as lágrimas, pra fora.
Obrigada, Bicho.
Beijo
Maria

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...