terça-feira, março 27, 2018

O sol na alma


Uma raridade que adorna a esquina de uma varanda em ferro forjado;
parece uma bolha de magma incandescente enclausurada numa redoma de rede vítrea;
este bonito trabalho em vidro concentra no seu âmago toda a luz e calor do sol da tarde alentejana.

Assim de repente fez-me lembrar uma bonita canção ("Flor Sem Tempo") que muitas vezes escutei na rádio de outros tempos - anos 70 do séc. XX.

Canta o sol
Que tens na alma...


(Paulo de Carvalho)

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...