terça-feira, março 02, 2010

Porta do Nada


Tudo o que já foi, não mais existe;
ou existe exactamente tão pouco quanto aquilo que nunca foi.
Mas tudo o que existe, no próximo momento, já foi.
Por consequência,
algo pertencente ao presente, independentemente de quão fútil possa ser, é superior a alguma coisa importante pertencente ao passado;

isto porque o primeiro é uma realidade agora que está para o último como alguma coisa está para coisa nenhuma.

Sem comentários:

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...