segunda-feira, outubro 29, 2007

Censurado


PAISAGEM

As traineiras abrigam-se na barra,
Os mastros em fantástico arvoredo.
São peixes coloridos, de brinquedo,
E eu o triste rapaz que solta a amarra.

Os telhados reúnem-se no largo,
Assembleia de pobres e crianças.
Em falas, cantos cobram-se esperanças.
Homens chegam do mar com rosto amargo.

Lá baixo a vaga escreve na muralha
a história destes muros. Toda em brios
salta adiante o Baleal e falha.

E na gávea da velha fortaleza,
Fico a seguir o rumo dos navios,
Num choro de asas de gaivota presa.


(Carta de um preso político português, Peniche 1958)

Sem comentários:

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...