quinta-feira, julho 18, 2019

Couto Feudal


Ucanha, Tarouca

O território de Ucanha, inserido no couto de Algeriz, foi doado pelo rei Afonso I de Portugal, à viúva de Egas Moniz, a qual por sua vez o doou ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas (Ordem de Cister) de que ela foi a fundadora.
No mundo feudal as passagens sobre os rios eram escassas, e por isso era habitual a cobrança de portagem nesses pontos, constituindo um rendimento extra para os senhores da terra.
Os direitos de travessia desta ponte, implicaram a construção de um arco provido de uma porta, na cabeceira da ponte e, sobre ele, um edifício fortificado destinado a armazenar os produtos cobrados pelo senhorio (o Mosteiro) a todos os que entravam no couto, seguindo a antiga via romana.
Isto levou à fixação de um conjunto de funcionários encarregados da segurança e cobrança das portagens, sendo construídas instalações e casas num aglomerado que se veio a chamar a “Vila da Ponte” - actual Ucanha.
Num pequeno nicho que abriga uma escultura de Nossa Senhora do Castelo, encontra-se a inscrição gótica:
“Esta obra mandou fazer Dõ Fedo Abble de Salzedas e DM M / III.º L X V 'era domini' 1465”.
O dito abade D. Fernando era sobrinho de D. Nuno Álvares Pereira.

Não faz mal, de vez em quando evocar um bocadinho de história, a história de Portugal.


1 comentário:

M,Franco disse...

O professor,descontraidamente dando uma sábia lição de
História "in loco".

Outros Tempos

Miradouro do Mindelo, Praia das Maçãs “Diante da vastidão do tempo e da imensidão do espaço  é uma alegria para mim partilhar uma época e u...