quinta-feira, julho 18, 2019

Couto Feudal


Ucanha, Tarouca

O território de Ucanha, inserido no couto de Algeriz, foi doado pelo rei Afonso I de Portugal, à viúva de Egas Moniz, a qual por sua vez o doou ao Mosteiro de Santa Maria de Salzedas (Ordem de Cister) de que ela foi a fundadora.
No mundo feudal as passagens sobre os rios eram escassas, e por isso era habitual a cobrança de portagem nesses pontos, constituindo um rendimento extra para os senhores da terra.
Os direitos de travessia desta ponte, implicaram a construção de um arco provido de uma porta, na cabeceira da ponte e, sobre ele, um edifício fortificado destinado a armazenar os produtos cobrados pelo senhorio (o Mosteiro) a todos os que entravam no couto, seguindo a antiga via romana.
Isto levou à fixação de um conjunto de funcionários encarregados da segurança e cobrança das portagens, sendo construídas instalações e casas num aglomerado que se veio a chamar a “Vila da Ponte” - actual Ucanha.
Num pequeno nicho que abriga uma escultura de Nossa Senhora do Castelo, encontra-se a inscrição gótica:
“Esta obra mandou fazer Dõ Fedo Abble de Salzedas e DM M / III.º L X V 'era domini' 1465”.
O dito abade D. Fernando era sobrinho de D. Nuno Álvares Pereira.

Não faz mal, de vez em quando evocar um bocadinho de história, a história de Portugal.


1 comentário:

M,Franco disse...

O professor,descontraidamente dando uma sábia lição de
História "in loco".

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...