quinta-feira, fevereiro 07, 2008

sem dono

AMPLIAR
Em For de Agonia

Porque te lavas no rio
da corrente impetuosa
deste meu pensamento.
Cascata de água sombria
prosa do meu desalento.
Versos em flor de agonia
como uma onda alterosa
congelada em gelo frio.

Com serena melancolia
pergunto à brisa do mar:
Para quê chamar o vento?
Aguardo novas de poesia!
Dizem que está para chegar
envolta nas ondas do tempo.

..
(OBicho, escritos apócrifos, 2005)
..
Estranho, estas palavras que apareceram aqui... hoje.
Gostava de saber como é que estes versos vieram aqui parar!?
Porque diabo escrevi eu isto? Se é que fui eu!!? Por vezes surpreendo-me.
A 2ª estrofe faz-me pensar em Manuel Alegre, mas, já pesquisei na "net" e não encontrei nada parecido, com autoria de outrem, quer dizer, outro alguém que não eu.
Por isso, gostava de perceber de onde vieram estas ideias. Tristeza não basta, sofrer de melancolia, não chega para cozinhar umas letras e vomitar frases que fazem sentido - para quem sente o que sente.
Ó merda, o que é que eu estou p'raqui a dizer?

1 comentário:

Anónimo disse...

Bicho
Porque teimas em esconder a tua sensibilidade e a tua veia poética?
O que escreveste hoje é lindo.
Porque tentas desculpar-te de teres feito uma coisa tão bonita?
Tu és poeta, queiras ou não.
Maria

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...