segunda-feira, agosto 20, 2007

Ventos


Velas ao vento (Fátima, 2007)

O que faz andar o barco não é a vela enfunada, mas o vento que não se vê!
(pensamento de Platão, o filósofo, em 400 AC)

E eu,

Pergunto ao vento que passa,
Notícias do meu País.
E o vento cala a desgraça.
O vento nada me diz.

E o vento não me diz nada
ninguém diz nada de novo.
Vi minha pátria pregada
nos braços em cruz do povo.

E o vento não me diz nada
só o silêncio persiste.
Vi minha pátria parada
à beira de um rio triste.

E a noite cresce por dentro
dos homens do meu país.
Peço notícias ao vento
e o vento nada me diz.

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa.


(escreveu Manuel Alegre, o poeta, em 1963)

Sem comentários:

Despertar DCCII

Praia das Maçãs, Sintra Acontece por vezes, após uma noite de mar agitado, com ondas alterosas fustigadas por ventos fortes e sabe-se lá qu...