domingo, março 12, 2006

portas do tempo I


[Colares - Sintra]

O tempo, não mora aqui.
O tempo infinito passou por aqui, não parou.
Ele não pára, tem sempre pressa o tempo nunca tem tempo para parar um pouco e sossegar.
Avança sempre, não recua, não vacila, nem uma só esitação.
Monotonia cadenciada.
"Não há tempo a perder" - não se consegue perder o tempo não se perde, encontra-se e gasta-se, consome-se.
"Só para ganhar tempo" - ganha-se dinheiro (e gasta-se), ganham-se amizades, ganham-se cabelos brancos, o tempo não se ganha, é de borla, não se paga, ele está aí por todo o lado, sempre disponível para ser utilizado, usado, gozado, não acaba nunca, desde tempos imemoriais até... sabe-se lá quando!??

(acreditem, foi isto que eu pensei, quando vi esta porta)

2 comentários:

Anónimo disse...

Apenas na união de dois corpos o tempo parece parar,mas, não ele não para,parar é morrer,vamos é viver.VIVA A VIDA Maria

cristina disse...

Adoro este fotografia.
texto muito lindo.
Bom domingo,beijinhos

Amanhecer DLXIII

Praia das Maçãs, Sintra C'est en septembre Quand les voiliers sont dévoilés Et que la plage, tremblent sous l'ombre D'un...