sexta-feira, março 10, 2006

amontoado IV


[Lisboa - elevador do Lavra]

poema do abandono em si (IV)

Cair no abismo do esquecimento verdadeiro
ou permanecer intermitentemente
apenas um de entre todos.

1 comentário:

Anónimo disse...

Caíres no abismo do esquecimento é impossivel o teu passado fértil não vai deixar morrer aquilo que foste e permaneceres apenas um de entre todos também não,és diferente, e tens que continuar assim,a tua sensibilidade ultrapassa todas as fronteiras,tens que escrever tudo que te vai na alma, não deixes apagar essa chama, luta até ao fim. Maria

Amanhecer DLXIII

Praia das Maçãs, Sintra C'est en septembre Quand les voiliers sont dévoilés Et que la plage, tremblent sous l'ombre D'un...