sexta-feira, dezembro 10, 2010

sob controlo


Readquirido o controlo do tempo...
permite-nos recomeçar um novo ciclo.

quinta-feira, dezembro 09, 2010

Descontrolo 2


Respiro ainda, movo-me, caminho, removo-me de um lugar para outro onde pouso, todavia sem repouso
Voltam-me à lembrança palavras antigas, quase tão antigas como a minha escrita sentida
- «percorro fustigado na desesperança do nada um caminho de sépalas desprovido…»
quando na tarde calma da cidade quente, Domingo de férias, caminho indolente pelo meio da gente, em direcção ao passado que já não quero encontrar em nenhum lugar, porque tenho medo, sinto-me incapaz de afrontar a mudança.


Tudo em mim está de pernas para o ar e o mundo olha-me de cara à banda
Aos meus pés passam linhas invisíveis de vermes inchados de preconceitos assimilados, mal digeridos

Ah, que vontade de vomitar os restos do meu ser que se alimenta de paisagens de lugares de outro tempo, de outras vidas
Ah que falta de vontade de viver outra vez a mesma vida, não…

quarta-feira, dezembro 08, 2010

a fonte 558


PENACOVA
Noite quente, excelente para deambular, com calma, sem preocupação, pelas ruelas antigas desta magnífica vila/miradouro sobre o vale do Mondego.
Desde a esplanada no largo principal até à Pérgola, uma vista quase de voo de pássaro sobre o imenso vale, quase sobrenatural...

terça-feira, dezembro 07, 2010

Descontrolo


E o tempo corre suavemente como o vento ligeiro em dia morno de Outono
A amargura impera nos sentimentos que estão ao de cima e atravessa o íntimo pensamento de que não consigo livrar-me
A muito custo vou desviar-me dos escolhos semeados à toa, sem alinhamento, sem qualquer propósito, que não seja o de me transtornar a marcha, lenta ainda assim, através da maldita rampa inclinada para os abismos da consciência que me perturba o raciocínio, incoerente na fala, inconsequente nos propósitos


Mal, em tudo mal, nos actos carregados de responsabilidade rejeitada


Meu ver de todo enevoado, de tudo distanciado, da realidade refugiado, em cima de nada apoiado,
Esperança relegada para nunca mais, ora esperançosa do mais ínfimo momento de bem estar


Não encontro sossego em mim, nem à volta de mim, nem nada, nem antes, nem depois, nunca, nem pode ser ou vir a ser…
E a depressão preenche praticamente todo o espaço interior, não deixando lugar para qualquer coisa que fique para além da solidão


A razão embutida pelas emoções negativas, acima de tudo, inquietantes, permanentemente no controlo do corpo que já nem sei como ainda não soçobrou, tão açoitado tem sido, pela agrura dos tempos recentes

domingo, dezembro 05, 2010

a fonte 557


Continuando em terras de Transmotanas,
pelos arredores de Favaios (onde se produz o melhor vinho Moscatel que conhecemos) e fazemos uma paragem em
Sanfins do Douro, provável lugar de nascimento, em 1517, do Padre Manuel da Nóbrega, o fundador da cidade brasileira de São Paulo.
O primeiro Orago da terra foi o de Sta. Margarida, mais tarde contruiu-se uma capela no alto do monte dedicada a Sta. Bárbara e posteriormente, nos fins do séc. XVIII, o Santuário passou para as graças de N.ª S.ªda Piedade cuja romaria se realiza todo os anos, por altura do 2º Domingo de Agosto.

sábado, dezembro 04, 2010

amanhecer CCXLIV


A Libelinha de cor verde-azul metalizada,
(que eu nunca tinha visto) esteve um bocado de tempo ali parada, imóvel, enquanto eu ia captando uma série de imagens.
Fui aproximando a objectiva fotográfica, cada vez mais, e ela continuou imperturbável de tal forma que cheguei a pensar: «com este frio, só pode estar congelada?!»

sexta-feira, dezembro 03, 2010

O Santo da Casa JNRJ


Fugiu da cruz, o coitado, foi-se recolher na Sacristia, por causa do frio que faz aqui na rua.
No cimo deste monte do Castelo de Marvão, está um frio de rachar - falta pouco para nevar.

quinta-feira, dezembro 02, 2010

a fonte 556


Vilar de Maçada (Alijó)
foi, como algumas pessoas sabem, a terra que viu nascer José Sócrates Pinto de Sousa.
«Entra-se em Vilar de Maçada ou pela Rua da Fonte ou pelo Adro.
Noutro tempo era a minha terra uma formosa aldeia que se espreguiçava ao longo da estrada nacional. Desde o Pontão até ao Adro da Igreja, por ali acima, erguiam-se altaneiras árvores de tília e de cerejeira que eram o cartão-de-visita a todos que, no Verão (acolhendo de bom grado a frescura da sua sombra) ou no Inverno (mirando as escultóricas formas dos seus troncos e ramos, na saudade de as ver repletas de folhagem viçosa), por ali iam de passagem ou vinham de visita matar saudades dos seus e do nosso Santo.

Nasceu orientada a Sul, bordejando a estrada que a dividia em duas funções específicas: para N, a parte habitacional, para S, os lameiros e vinhas do seu sustento. Beija-a o sol de manhãzinha reflectindo no alvo das casas caiadas, até ao seu deitar, cansado de iluminar e aquecer a beleza daquela terra e a singeleza das suas gentes risonhas e fagueiras.
Era também conhecida pelas muitas e bonitas moças casadoiras tal como diz a canção, Hino de Vilar de Maçada:

A nossa terra é linda
Tem raparigas de apetecer
Têm bocas de cereja
Que dá vontade de as comer.
»
Agradecimento:
Pequeno extrato de um artigo que fui desencantar no "Baú de Recordações", autoria de "a serrana", (Celeste Coutinho) uma professora aposentada que se dedica à escrita de contos e poesia que publica num excelente Blog da comunidade Sol.

quarta-feira, dezembro 01, 2010

vinho e azeite


Vilarinho de Cotas (Alijó) no Alto Douro Vinhateiro.

Altas encostas sobre o Douro fundo,
a Quinta da Levandeira do Roncão,
produz do melhor vinho e azeite.
Já provou o Tinto Colheita 2007, não?
No Natal, se lhe oferecerem, aproveite
Olhe que é um nectar "do outro mundo".

Amanhecer DLXIII

Praia das Maçãs, Sintra C'est en septembre Quand les voiliers sont dévoilés Et que la plage, tremblent sous l'ombre D'un...