quarta-feira, dezembro 07, 2016

A fonte 656



Eis senão quando, eu percebo que regresso às origens.
E porquê, como?
Pois, estou de volta à minha cidade natal (LISBOA) e, pelo que dizem os entendidos, regresso à juventude.

Sim senhor, graças ao bom tempo que beneficia quem vive neste recôndito e pacífico cantinho da Europa ocidental, posso ocupar o tempo livre que tenho de sobra, com mais uma volta pela capital.

E quem mais contribuiu foi quem teve a ideia de construir o túnel que traz o comboio até à baixa da cidade - Rossio e ao benefício concedido pela CP aos viajantes "idosos" - 50 % de desconto no preço do bilhete de comboio. Ora aí está uma coisa bem feita...
E mais: segundo uma classificação internacional sou um "Idoso jovem" (66 - 74 anos) - afinal sou jovem outra vez e ainda me falta quase uma década para entrar na velhice - "Idoso velho" (75 - 85 anos).

domingo, dezembro 04, 2016

Amanhecer DXXIV

Não parece, mas é um amanhecer - uma grande Lua cheia, ao nascer do Sol.

Perpassou um ano e muitos meses sem amanhecer, por aqui.
Após este interregno, volto, só para dizer que... ainda cá estamos, a fazer coisas e a dizer coisas!


domingo, novembro 27, 2016

A ver navios, no fim



"TRAFARIA PRAIA", o Cacilheiro

A última viagem como navio de passageiros no Tejo, em Lisboa,
antes de ser convertido pela artista portuguesa, Joana Vasconcelos,
numa obra de arte que representou Portugal na 55ª Bienal de Veneza.

sábado, junho 25, 2016

Velho sou eu




Passaram 43 anos...

Foi um dia depois do S. João (25 de Junho de 1973) que fiz esta fotografia.
Não tenho a certeza se foi na Estação de Mirandela (Linha do Tua) ou na Estação de Moncorvo (Linha do Sabor), porque no mesmo dia estive nesses dois lugares.
No entanto, lembro-me muito bem, isso sim, que fiquei de boca aberta, pois nunca tinha visto (várias) máquinas a vapor em funcionamento.
Até então eu pensava que essas coisas só existiam nos filmes de "cowboys" americanos.

sábado, junho 18, 2016

O gato




Há um deus único e secreto
em cada gato inconcreto
governando um mundo efémero
onde estamos de passagem..

(Manuel António Pina)

terça-feira, maio 26, 2015

a fonte 652



Almeida

No largo frente à porta principal (S. Francisco) da fortaleza que foi, a partir de 1640, a maior praça-forte da Beira interior.

Fonte da Liberdade, homenagem à revolução de "25 de Abril de 1974".
Água escorrendo dia e noite, sem parar, pelos grandes blocos de granito sobrepostos em desalinho.
"Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!"

Aqui mesmo ao lado, fica um dos mais populares restaurantes da região - o "Granitus" - procurado por castelhanos e portugueses para reabastecimento de energia física e anímica, saboreando os cozinhados típicos do lugar - naco de vitela - acompanhados pela alegria dos belos vinhos tintos produzidos do planalto da Beira Interior.

segunda-feira, maio 25, 2015

A ver navios (1139)



Onde ou aonde?

Setúbal

No estuário do Rio Sado, um lugar por onde teriam entrado a navegar, os barcos transportando aguerridos cavaleiros Cruzados que teriam vindo dar uma "ajudinha" ao nosso primeiro Rei, D. Afonso, na sua campanha de conquista de território aos Mouros.

É uma teoria histórica, segundo a qual, a pequena armada de Cruzados oriundos do norte da Europa (França e Inglaterra) terá feito um desvio na sua viagem a caminho da Terra Santa para "treinar" um pouco em combate real pelejando contra os seguidores do Islão instalados na Península.
Ou por solidariedade ou para agradecer o fornecimento de mantimentos para a viagem - comida e bebida - que o bom povo de Portucale lhes proporcionou, os defensores da Cruz de Cristo subiram o Rio Sado até onde permitia o caudal de então, chegando assim por via fluvial, com armas e bagagens ao Alentejo interior, não muito distante das planícies (Castro Verde) onde terá decorrido a famosa Batalha de Ourique.