terça-feira, março 07, 2006

monologamia II


[ensaios II]

Como posso ser bruto, bestial, corrupto perante tais atitudes e sentimentos porque não sigo os vestígios da cauda do cometa que ainda vai iluminado um caminho que na verdade - o que é? - eu desejava sempre percorrer sem sair do mesmo sítio.
Não, não era bem assim.
Sem sair do mesmo sítio, já eu consigo estar em todo o lado ao mesmo tempo, (ou não) mas sempre perfeitamente incompleto, inacabado e então impotente.
Impotente no respeitante à criação, ao abandono dos sentidos no racional, a emoção ao serviço (da razão) de quem, no fim?

1 comentário:

Anónimo disse...

8Março de 2006

Como sou bruta, bestial e sei lá que mais.Tenho que seguir a cauda do cometa que me ilumina o caminho que ainda não percorri,já tendo andado tanto à deriva e ao sabor dos desejoa alheios,falta-me garra para ser aquilo que sou no meu consciente, ser simplesmente eu própria,e amar aqui ali e além ,sem ter de esconder sentimentos,vontades,travar desejos e alegrias sem fim, resumindo quero ser eu mesma, e ter coragem de enfrentar aqueles que se sentes superiores,e no fundo são uma merda que por vezes me apetece pisar até ficar com os pés todos cagados, e depois obriga-los a lamber as solas para sentirem o sabor daquilo que são.Conclusão:-O mundo é realmente destas bestas com ares superiores por terem o mundo a seus pés e pisam familia,e outros que vivem cada dia com humildade e caridade.Desta merda toda só se aproveitam os amores perfeitos são aquilo que todos deviam de ser perfeitos senão totalmente pelo menos parcialmente. Beijinhos da Maria

Amanhecer DLXIII

Praia das Maçãs, Sintra C'est en septembre Quand les voiliers sont dévoilés Et que la plage, tremblent sous l'ombre D'un...