quarta-feira, março 29, 2006

Linhas tortas


Não escrevo direito por linha tortas
sempre escrevi em folhas sem linhas
mas hoje encontrei estas linhas escritas
numa velha folha de papel de 25 linhas
Dizia assim:
Não gosta de folhas de papel com linhas
Quem só andou na linha até à 4ª classe
Depois, só na linha do comboio, em viagem.
Até na universidade alinhou mas pouco.
Desalinhado na guerra sem saber porquê
Partiu a linha dos Telefones bastante cedo
E apareceu na RTP ou comunicação sem linha
Foi bom, o iniciado no ecran das 15.625 linhas.
Mas cedo também aqui foi a linha desligada.
Desde então foram muitas as linhas de fuga
Pouco tempo perseguindo uma linha perspectiva
Talvez apenas por uma questão de pilinha
Fica-se por aqui a ligar linhas de terminal IBM
Mais as linhas de pesca anzóis canas e iscas
Com as linhas de água da maré alta e baixa
Às vezes agarrado à linha de cozer remendos
Outra vez com a linha cirúrgica presa ao corpo.
Enfim com a liberdade presa por uma linha
E a palma da mão com muito poucas linhas
Escassas e curtas como é a linha da vida
Assim foi chegando ao fim da linha
Vai finalmente entrar na linha... e na CEE
E para isso é só ir beber um chá de linhaça!
Na ervanária dizem - bom para manter a linha.
E dá Deus agulhas a quem não tem linhas!!!
(luís, 1985)

1 comentário:

Quim disse...

Dá pena não é Bicho? Alguém que toda a vida andou na linha, sem se preocupar com a linha, começa a alinhar no grupo dos que não têm linha.
É uma questão de linhagem, Bicho.

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...