segunda-feira, junho 05, 2006

Poema do Mar


Quando eu era puto, já lá vão praí uns 50 anos, um montão de tempo, que para o meu filho ou o meu neto que têm agora 8 anos, é uma coisa inimaginável - 50 anos!!!
Mas o que eu queria contar é que, nesse meu tempo de puto, éramos todos muito estranhos:

a vida era muito esquisita, sem computadores, nem internet, nem sequer televisão, mas já havia rádio, livrinhos de estórias aos quadradinhos e cromos para coleccionar e colar em cadernetas - fantástico, simplesmente maravilhoso, ainda me lembro da colecção das "Figuras Ilustres" e da "História do Automóvel" e... os "Bonecos da Bola", isso era o máximo - jogar à palmadinha, sensacional!!!

Portanto, nesta situação, era natural que os miúdos da época, se desenvolvessem de uma forma assim um bocado esquisita, não é? Pois é. Um bom exêmplo disso é este poema, um estúpido poema, que os idiotas dos miúdos do meu tempo diziam, já não sei a que propósito. Era assim:

Ó mar alto, ó mar alto
Ó mar alto do mar morto

Praia mar, baixa mar
Baixa mar pai a outro.

5 comentários:

Quim disse...

E o Capitão Trovão? E o Cavaleiro Andante?
Também eu dei muitas palmadinhas nos cromos que passavam a ser meus. Outros, também lá ficavam, quando os Deuses não estavm comigo.
Às vezes apetece-me ser um puto "esquisito" (como tu dizes) e voltar o tempo das candeias.

Anónimo disse...

Vocês têm memórias incriveis, eu não tenho saudades nenhumas da minha meninice,era muito bicho do mato, não falava com ninguém,foram rempos tristes em que eu era muito introvertida e complexada,achava-me a pior e a mais feia menina ao cimo da terra,era mesmo terrivel, passava a vida na varanda a ver os outros brincarem,acho que a minha idade mais bonita em que eu cresci foi por volta dos meus 40 anos,coisa estranha crescer tão tarde, já tinha sido mulher. e mãe duas vezes,de menina recordo sómente o dia em que me separaram do meu primo Zé Jorge, foi mesmo muito doloroso tinha ele 3 anos e eu uns 6 foi para o Lobito e só o vi passados 10 anos engraçado casou com a minha melhor amiga, o que fez de mim muito feliz.Recordo também o primeiro dia de escola, era tão pequenina que era isenta de usar bata, epara a aprentação fui colocada em cima da mesa da professora para todos verem como eu era pequenina, e engraçada.Coisas da MARIA

O Bicho disse...

Maria, afinal esse texto é um desfile de memórias de infância. E bem vivas, a avaliar pela descrição.
Desde os 6 anos.
O primeiro dia de Escola - inesquecível não é?

Quim disse...

Olha Maria. Eu não tinha nada e tinha tudo.
Fui muito feliz.
Da tua meninice ficou uma raiva escondida que às vezes deixas transparecer aqui.
Lembra-te apenas das coisas boas e passarás a ter tido uma infância feliz.

Anónimo disse...

Your site is on top of my favourites - Great work I like it.
»

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...