quinta-feira, abril 20, 2006

Pressentimentos


Não sei porquê, mas pressinto, mais do que sinto, que há qualquer coisa que não está bem.
Ou que haverá alguma coisa não vai estar nada bem. Parece-me que, como costumava dizer a minha Mãe, isto vai de mal a pior.
Pessimista? Não sei? Sinto uma ameaça, uma qualquer coisa iminente, uma sensação esquisita, um sentimento inquietante de angústia sem uma explicação clara.
Pretextos? Desculpas para não fazer nada? Quer dizer, para continuar a não fazer nada ou... talvez fazer ainda menos.
Não é isso. O que se passa é que dou por mim a passar por uma espécie de Suplício de Tântalo, ao imaginar de tempos a tempos que existe uma Espada de Dâmocles prestes a tombar sobre a minha cabeça.
São 4:36 da madrugada em Lisboa e eu às voltas com estas tretas - se eu estivesse em New York isto já não acontecia. Lá ainda nem é meia-noite.
Bem vou dormir - ainda aproveito umas 3 horinhas de sono e... Bolas!!! Acho que, vou evitar passar ao fim do dia pela rua onde estão as ameaçadoras máquinas aqui da foto.

3 comentários:

Anónimo disse...

Quando o pressentimento aparece devemos matá-lo antes que ele nos mate a nós.Cruza os braços dobra as pernas curva a espinha e pensa que ainda estás na barriga da tua mother.Maravilha!Está quentinho, temos comidinha à descrição,o ar é puro,e aquilo que ouvimos faz-nos lembrar o mar distante.Estou cada vez mais maluca como podes ver.Maria

Anónimo disse...

Não podemos negar o pressentimento, além disso depois do sentir não há mais nada a fazer senão esperar... quantas vezes rezei para não acontecer, quantas vezes neguei e... tudo seguiu o seu curso normal...

Anónimo disse...

Não podemos negar o pressentimento, além disso depois do sentir não há mais nada a fazer senão esperar... quantas vezes rezei para não acontecer, quantas vezes neguei e... tudo seguiu o seu curso normal...

Amanhecer DLXIII

Praia das Maçãs, Sintra C'est en septembre Quand les voiliers sont dévoilés Et que la plage, tremblent sous l'ombre D'un...