quinta-feira, outubro 12, 2006

o(utro) mundo



Cada vez que nasce uma criança,
No mundo renasce a esperança
De acabar com a desigualdade,
De que fala o poeta da verdade:

(António Aleixo)

A rica tem nome fino
A pobre tem nome grosso
A rica teve um menino
A pobre pariu um moço.

Sem comentários:

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...