quinta-feira, outubro 19, 2006

o Sino



Ó sino da minha aldeia
Dolente na tarde calma
Cada tua badalada
Soa dentro de minh'alma
e é tão lento o teu soar
Tão como triste da vida
Que já a primeira pancada
Tem o som de repetida

Por mais que me tanjas perto
Quando passo sempre errante
És para mim como um sonho
Soas-me na alma distante
A cada pancada tua
Vibrante no céu aberto
Sinto mais longe o passado
Sinto a saudade mais perto


(Fernando Pessoa)

2 comentários:

(L)oca disse...

Lindo...e cantado pela Maria Bethania...Magnifico

O Bicho disse...

É bem verdade (L)oca, pela Bethania é demais...

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...