quarta-feira, maio 17, 2006

Fabuloso 1


A RAPOSA E A CEGONHA

Quis a raposa matreira
Que excede a todos na ronha,
Lá por piques de outro tempo,
Pregar uma partida à cegonha.

Topando-a, lhe diz: "Comadre,
Tenho amanhã belas migas,
E eu nada como com gosto,
Sem convidar as amigas.

De lá ir jantar comigo
Quero que tenha a bondade
Vá em jejum, porque pode
Tirar-lhe o almoço a vontade."

Agradeceu-lhe a cegonha
Uma oferenda tão singela.
E contava que teria
Uma grande fartadela.

Ao sítio aprazado foi,
Era meio dia em ponto,
E com efeito a raposa
Já tinha o banquete pronto.

Espalhadas num lajedo,
Pôs as migas do jantar.
E à cegonha diz: "Comadre,
Aqui as tenho a esfriar."

No longo bico a cegonha
Nada podia apanhar;
E a raposa com ar de mofa,
Mamou inteiro o jantar.

Ficando morta de fome,
Não disse nada a cegonha;
Mas logo jurou vingar-se
Daquela pouca vergonha.

LA FONTAINE (Fábulas, L1 - XVIII)

Sem comentários:

Amanhecer DLXIII

Praia das Maçãs, Sintra C'est en septembre Quand les voiliers sont dévoilés Et que la plage, tremblent sous l'ombre D'un...