segunda-feira, maio 22, 2006

desagrado


Um gajo que eu conheci, disse-me uma vez filosofando, ter percebido aos 35 anos que:
"Há pessoas a quem nunca se consegue agradar, faça-se o que se fizer."

Eu confirmo, e digo aos 57 anos que:
"POR MAIS QUE EU FAÇA, HÁ UMA PESSOA A QUEM EU NUNCA CONSIGO AGRADAR."

O problema não é não conseguir agradar, posto que isso é normal, não se pode agradar a toda a gente. O chato é, desejar, querer, procurar, ter vontade, fazer tudo para agradar e... debalde.
E foi mesmo uma espécie de balde de água fria, pela cabeça a baixo, ouvir a confirmação de uma coisa destas. Por tudo o que fiz e que não fiz, nada valeu a pena, nada teve valor, por muito que eu tivesse tentado. Quantos anos!!! Saber isto e depois... continuar?
Não tenho alternativa, por enquanto, por agora, não vou para longe, não posso, enquanto se mantiver o TERMO DE IDENTIDADE E RESIDÊNCIA à ordem do Tribunal. Estou limitado geograficamente, proibido de me ausentar para longe do Concelho de Sintra por mais de 5 dias.
Fico por aqui, vomitando o dia-a-dia para dentro do balde, aguardando o final da história.

1 comentário:

Quim disse...

Não vomites os dias.
Engole as noites e saboreia o entardecer.
Ignora a rezinguice e despe-te de desabafos.
Ouve apenas os maravilhosos sons que te rodeiam quando desbravas o desconhecido.
Sê tu. Por favor amigo.

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...