quarta-feira, março 30, 2011

Fim da Linha



Le moribond

«Adieu ma femme je vais mourir
C'est dur de mourir au printemps tu sais
Mais je pars aux fleurs les yeux fermés ma femme
Car vu que je les ai fermés souvent
Je sais que tu prendras soin de mon âme»


(Jacques Brel, 1961)

3 comentários:

Maria disse...

Brel, se nos conhecesse, descrevia a angústia em que vivemos. Porquê, Bicho? Porque levamos a vida ansiosos, magoados, sem força nem vontade de viver? Porquê esta insatisfação, esta dor constante, de não sabermos viver como os outros?
Os dias são cada vez mais vazios, as noites mais longas. Quero e não quero morrer.
Não te estou a ajudar nada. Só estou a desabafar. Acontece-me pouco. A culpa foi do Brel.
Beijinho
Maria

Anónimo disse...

É tão difícil viver!
E ainda mais por ver um mundo cada
vez mais complicado, por tantas e
tão variadas razões.
M.Júlia

O Bicho disse...

Não é assim muito difícil viver...
o mais difícil é querer viver!

A Fonte 672

Figueira de Castelo Rodrigo Na beira do caminho, junto ao Convento de Aguiar, base da encosta onde se encontra o que resta das muralhas ...