quinta-feira, março 24, 2011

A Fonte 571



Sou sapateiro, mas nobre
Com bem pouco cabedal;
E tu, triste Portugal,
Quanto mais rico, mais pobre.

Quem por aqui passesse neste chafariz, às portas de Trancoso, por volta de 1530, talvez tivesse o ensejo de escutar as Profecias de "O Bandarra", ditas pelo próprio Sapateiro enquanto enchia cântaros de água para curtimento das peles com que remendava os sapatos da clientela.

Sem comentários:

Amanhecer DLVII

ALMEIDA A luminosidade do sol rasante invadindo o corredor de uma das portas indefesas da Fortaleza. Daqui nada, reúne a comitiva no &qu...