domingo, março 06, 2011

a ver navios 123



Há muitos, muitos anos (provavelmente mais do que terá esta carcaça de traineira do rio), os miúdos e miúdas da minha rua, ocupavam uma parte do tempo livre com jogos e brincadeiras em plena rua.
Desses, recordo hoje esta cantilena, que servia de base a uma inocente e animada brincadeira na qual participava normalmente um grupo grande de rapazes e raparigas, à mistura.

Que linda falua,
que lá vem, lá vem,
é uma falua,
que vem de Belém.

Eu peço ao Sr Barqueiro
que me deixe passar,
tenho filhos pequeninos
não os posso sustentar.

Passará, não passará,
algum deles ficará,
se não for a mãe à frente,
é o filho lá de trás.

3 comentários:

Anónimo disse...

De tanta coisa me tenho esquecido
ao longo dos anos.Mas um pouco
da minha infância veio agora à
minha memória, com esta cantilena.
Saudades desse tempo. Ainda toda
a vida por viver!
Gosto da fotografia.
M.Júlia

Maria disse...

Bicho
Conseguiste um milagre. Eu não sei chorar. Hoje duas gotinhas sairam-me dos olhos.
Tempos de infância que passaram demasiado depressa.
Obrigada por estas duas gotinhas que chorei.
Beijos
Maria

O Bicho disse...

De vez em quando acontece, eu lembrar-me de coisas que não lembram a ninguém...

Amanhecer DLVII

ALMEIDA A luminosidade do sol rasante invadindo o corredor de uma das portas indefesas da Fortaleza. Daqui nada, reúne a comitiva no &qu...