domingo, maio 16, 2010

Autoretrato infra


Há pouco, posei para uma câmara fotográfica de infra-vermelhos
e quando olhei para o resultado - esta imagem aqui -
dei comigo a pensar como Bernardo Soares:

«Não sei o que sou...
e não sei o que sinto,
não sei o que quero sentir,
não sei o que penso nem o que sou.»

Sem comentários:

Amanhecer DLVII

ALMEIDA A luminosidade do sol rasante invadindo o corredor de uma das portas indefesas da Fortaleza. Daqui nada, reúne a comitiva no &qu...