quarta-feira, fevereiro 24, 2010

Alvorada



E de súbito um corpo!
Alvorada sombria,
Alvorada nefasta envolta nuns cabelos...
Eram negros e vivos. Quem sofria, só de vê-los?
Eram negros e vivos como chamas.
Brilhavam, azulados sob a chuva.
Brilhavam, azulados, como escamas
De sereia sombria, sob a chuva...
Veio cedo de mais a trovoada;
O vento me lembrou, de quem eu sou.
Alvorada suspensa!
Contemplada por alguém que chegou a uma sacada
e à beira da varanda vacilou.

(David Mourão Ferreira)

1 comentário:

Maria disse...

Lindo o poema do David. Bela a foto. Lindo o sentimento.
Beijinho
Maria

A Fonte 672

Figueira de Castelo Rodrigo Na beira do caminho, junto ao Convento de Aguiar, base da encosta onde se encontra o que resta das muralhas ...