domingo, fevereiro 14, 2010

a fonte 476

Depois da travessia do Tejo, desfilamos pelas estradas raianas, em direcção à Serra de S. Mamede.
Fazemos uma paragem para aconchegar a barriga com uma bifana no pão e uma "mini".
Não vi o nome da terra, nem o do café onde parei. Reparei num letreiro algures na rua, que dizia "Katekero" e pensei: «ora cá está um nome que já nos habituamos a encontrar por esse país fora».

Mas acho que o café devia ser o "Fonte Nova", pois é assim que se chama a fonte representada neste painel de azulejo (obra de Maria José, 2009 - não a nossa M. José das Caldas) na parede do salão.
E a terra é Gáfete (estranha acentuação a deste vocábulo), informou-nos a senhora que serviu à mesa a "bela bifaninha" de porco, carne temperada à maneira.

Esta foi uma das 12 Vilas Raianas do Prior do Crato. Chamava-se então, coisa complicada, Vila Nova de S. João Baptista de Gáfete.
E mais uma coisa... até houve um Barão de Gáfete, um homem ilustre cuja casa e busto se conservam (e bem) nesta vila que já foi sede de Concelho.

Sem comentários:

A Fonte 672

Figueira de Castelo Rodrigo Na beira do caminho, junto ao Convento de Aguiar, base da encosta onde se encontra o que resta das muralhas ...