terça-feira, junho 08, 2010

nem penso



«Houve um dia em que subi esta rua pensando alegremente no futuro,
pois Deus dá licença que o que não existe seja fortemente iluminado.
Hoje, descendo esta rua, nem no passado penso alegremente.
Quando muito, nem penso...»


(Álvaro de Campos, 1932)

Sem comentários:

A Cidade Branca

Terreiro do castelo (Estremoz) Nesta praça voltada a sul, com excepção dos automóveis estacionados e o "mamarracho", espécie d...