terça-feira, março 09, 2010

a ver navios 94



Tejo, meu Tejo, meu rio
Que preservas na bruma
Memórias de outro tempo
História de um nobre povo
Glória desfeita em espuma
Que a bordo de cascas de ovo
De velas enfunadas ao vento
Correu o mundo de fio a pavio

Tejo, meu Tejo, meu rio

Sem comentários:

A Fonte 672

Figueira de Castelo Rodrigo Na beira do caminho, junto ao Convento de Aguiar, base da encosta onde se encontra o que resta das muralhas ...