terça-feira, março 09, 2010

a ver navios 94



Tejo, meu Tejo, meu rio
Que preservas na bruma
Memórias de outro tempo
História de um nobre povo
Glória desfeita em espuma
Que a bordo de cascas de ovo
De velas enfunadas ao vento
Correu o mundo de fio a pavio

Tejo, meu Tejo, meu rio

Sem comentários:

Amanhecer DCV

Caminnha (Portugal) Sente-se aqui, na minha janela, o cheiro da maresia que sobe desde a foz do Rio Minho. No fundo da imagem, o incon...