domingo, novembro 18, 2007

Janelas sem casa


Por detrás da vidraça, há figuras paradas no tempo,
espreitando a rua;
suas sombras rastejando pelo soalho quando o luar
entra pelas janelas;
que importa saber de onde vens, ou para onde vais,
só a vida é toda tua;
também o presente, esse eterno devorador do futuro,
já passou por elas!


(ora bom, vá lá alguém entender..?
as merdas do caraças que me saem aqui para os textos..!)

Sem comentários:

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...