sexta-feira, setembro 22, 2006

Fica o Outono


Resíduos do Corpo

de ti ficam as aves,
no rumor
arderem altas;

Ficam as águas
à tona
a clara sombra
onde pousaram lábios;

fica o Outono,
desatado beijo a beijo
sobre a palha;

ficam as nuvens,
a sede ainda
de um ramo de coral.

(Eugénio de Andrade)

1 comentário:

Anónimo disse...

Vamos entrar na altura do ano que gosto menos.Tempo de reflexão ,tempo de pôr a vida em dia, tempo que lembra o Outono da minha vida, os meus cabelos brancos quase neve, a minha figura cheia,antes torneada e fina, tenho saudades principalmente de quando o meu corpo pesava apenas 50 kg, do resto nem quero lembrar.Um beijinho e vamos lá ver como é que vai ser este inverno MARIA

Amanhecer DLVIII

COVILHÃ Correndo pelo vale do alto Zêzere Já chegámos? O quê! Ainda não? Então vou dormir mais um bocadinho...